outroscaminhos @ 19:16

Seg, 17/03/08

Tu, que passaste por tantos séculos, por tantas fases da lua, deixaste-te corromper. Logo tu, que quando nasceste querias ser justa; que quando cresceste consideraste o abuso de poder mais um inimigo a precisar de uma estratégia brilhante para ser abatido.

Sim, logo tu. Trazias, talvez sem o saberes, o vento do domínio inflexível (e parcialmente tolerante) sobre diferentes povos, o aroma de quem perde batalhas mas nunca perde uma guerra; a voz  da persistência e da disciplina. Porém, as tuas tácticas tornaram-se impotentes no ócio e à luxúria que começaram a  germinar em ti. Dentro de ti. Começaste a envelhecer, a cair de mansinho, a perder aos poucos o que tanto trabalho quente deu a conquistar...

Logo tu que eras feita de um sonho tão respeitoso, tão bonito.

Misturaste as tuas vitórias com derrame de sangue inocente e as tuas más acções sobrepõem-se, em alturas de  castigo, ao  mérito que tens por direito. Tens o melhor e o pior associado ao teu nome. Mas  foste, efectivamente, grandiosa e magnificente. Inigualável.

Até te derrubares; até perderes tudo o que eras no início. Quando julgaste ter alcançado a tua glória máxima, deixaste  o sonho escapar por entre os teus dedos como se fosse água.

Mas as tuas ruínas estão presentes no meu povo. Somos, também, a herança que deixaste ao mundo. Somos também o que resta da tua memória.

E admiro-te, não pela luxúria que incutiste com as tuas vitórias, mas pelos motivos pelos quais subiste, o sonho que almejaste.

Gosto sobretudo do sonho que tu eras.

O sonho que eras e o que és hoje...

Ah! A tua beleza era ofuscante. E ainda é.

O meu amor por ti cega-me, só vejo o teu apogeu.

Maria InEs



Depois de concluirmos uma etapa, e porque a vida não pára, chegam novas aventuras e novas descobertas por novos caminhos....
Março 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10

16
19
20
22

24
26
27
28
29

30


Encontre o caminho
 
blogs SAPO