outroscaminhos @ 16:57

Ter, 01/04/08

Vem sentar-te ao meu lado,

Quero saber que estás comigo.

Conta-me as tuas histórias.

 

Consegues ouvir?

É o rio a correr e a passar entre as pedras.

Aqui estou bem.

 

Fecha os olhos e vê o meu sorriso,

Lembra-te de tudo o que eu te dei sem que tivesses visto,

Assim como eu faço com tudo o que me deste e ensinaste.

 

Canta para mim mais uma vez.

A tua voz é pressentida aqui.

As folhas acompanham-te e as rãs também.

 

Ja viste?

Hoje tive coragem.

Não para dizer que és parte de mim,

mas para dizer que parte de mim está contigo.

Essa parte que nunca mais vai voltar.

 

Espreita aqui neste cantinho,

É a gaveta maior do meu amor.

Toma a chave! Abre-a!

 

Olha!! Estás a ensinar-me a andar!!

E agora estas a defender-me, porque sempre foste assim.

Aqui estás Tu, eu e o tio.

Foi o tio que me ensinou a canção do "sólidó", recordas-te?

 

Mas agora já não refilas com o tio,

Nem me convidas para ir tomar o pequeno-almoço a tua casa.

 

Posso pedir uma coisa?

Diz ao tio para não chorar.

 

Tia, esperas por mim?

Nunca me vou esquecer de Ti.

 

 

Nádia Correia nº8

 

 

 




outroscaminhos @ 16:48

Ter, 01/04/08

Não deixa de ser inteligente essa opção tua, a de ao invés de desejar a sorte, almejar controlar o azar. Aliás, bastante astuta, observando com a lupa o pormenor quase epicurista. Claro está, não procuras prazer, nem foges do desprazer. Partiste em busca de ti, do teu lugar no mundo. A tua alma é grande porque se sabe única e impossível de ser copiada; porém, sorris ao anonimato mundial. Gostas de ser ninguém, melhor, aprendeste a ver o lado brilhante da lua nesse facto.

Quem te olhar superficialmente explorará a tua arrogância inexistente, o teu desdém para com Deus que nada fez por ti, pela tua dor. Deus ou deus, é indiferente agora, foi essa a tua mudança em ti. Por isso, não és herói e por isso não tens uma terrível e tenebrosa morte prematura. A diferença está no troço da escolha, no momento fulcral em que decides quem não queres ser. A tua perspicácia outra vez, escolher entre qualidades é mais fácil, muito mais apaziguador.

Vejo-te do outro lado da rua, vejo-te do outro lado da estrada ou do espelho, o mundo, por vezes, é um lugar pequeno. E é ao ver-te que reconheço os traços do soldado do novo exército, aquele que fará nascer um novo e purificado mundo. Se desejas a paz, participas na guerra; se amas a noite, vives intensamente o dia; se choras às escondidas em noites de luar sombrio a dor de seres tu, então na noite de lua seguinte ergues-te com um amor bélico à tua existência, que é próprio dos solitários e dos humildes. Sem heroísmos, apenas com humanismo. Tens uma existência pacífica que em nada é passiva; e és tu e tens em ti o conjunto do mundo. És a esperança que te agarra à vida porque sabes que tens um caminho no mundo único e não copiavel; no entanto, não fazes falta se amanha apertares a mão a Hades ou a Horus. Não por teres negado Deus – tem-lo em ti – mas por teres afirmado que olhas, e observas, e apaixonas-te pelas estrelas todas as noites.

O teu amor é azul, discreto, ninguém vê quão intenso se torna quando o sol nele incide.

Maria Ines C.



Depois de concluirmos uma etapa, e porque a vida não pára, chegam novas aventuras e novas descobertas por novos caminhos....
Abril 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
12

14
16

20
24
26

27
28
29


Encontre o caminho
 
subscrever feeds
blogs SAPO