outroscaminhos @ 18:29

Ter, 11/12/07

Já que estamos numa de animais de estimação apresento-vos a Nina: tem quatro anos, uns olhos azuis invejáveis, uns quilinhos a mais, come peixe e gambas como se não houvesse amanhã, empoleira-se na janela e diz 'miau' aos pombos que passam e tem a terrível mania de achar que a minha cama é dela :)

 

 

 

 

Nádia e Nina Abrantes :P




outroscaminhos @ 18:26

Ter, 11/12/07

      Sempre gostei de animais mas os meus pais nem sempre permitiram que os tivesse em casa. No entanto, mais ao menos há um ano, o meu pai apaixonou-se por uma gatinha persa que viu numa loja de animais. Em segredo, e com o intuito de fazer uma surpresa à minha mãe, comprou-a e trouxe-a para casa sem contar nada a ninguém. Quando cheguei a casa tinha uma gatinha minúscula e com um olhar assustado a espreitar para mim, meia escondida atrás do sofá. Mal podia acreditar. Baptizámos a gatinha com o nome de Betty e, apesar de ser um pouco arisca ao início, tornou-se uma grande amiga minha.

 

Bem, a Betty não podia ficar sozinha e quando o meu pai viu um outro gato persa ainda mais pequeno e com uns olhos azuis irresistíveis, deixou-se conquistar e levou-o para casa. Assim chegava o Edgar.

  

 A relação de ambos ao início não era a melhor, mas com o passar do tempo tornaram-se um casal muito apaixonado. Dessa paixão nasceram há 5 dias estes docinhos que fazem a delícia de todos cá em casa.

 

Ana Silva


sinto-me: cheia de gatinhos=)


outroscaminhos @ 17:33

Ter, 11/12/07

Gosto muito de animais e, como tal, tenho três animais de estimação. Mas são três animais todos com características muito especiais. Bem-vindos ao Mundo das Aberrações.

 

 O meu gato, chamado Preto (porque será não é!?), é um gatinho pequeno. Pesa 12 kg e mede cerca de 1 metro desde a ponta da cabeça até ao fundo da cauda. As cobras comparadas com este animal são anjinhos rastejantes, acreditem.

 

  

O meu cão. Foi apanhado na rua e chama-se Pantufas. Todos dizem que é muito feio, mas pronto, não se pode agradar a todos, não é? Tem os dentes todos tortos e tem reumático numa pata traseira. Pois é, estes cães já não são o que eram!

 

 A minha cadela. Para além deste ar esgrouviado que lhe deu o nome de LILI (by Lili Caneças), esta cadela, que veio para minha casa com um mês de vida, também é uma aberração. Tem uma unha preta na pata frontal direita, sendo todas as outras brancas. Para além disto só tem um canino. Mas é muito maluca e proporciona momentos hilariantes. 

 

Enfim, para além destes animais também tenho um periquito, mas esse é normal. Não tem piada. Acho que cheguei à conclusão de que vou abrir um circo de aberrações.  

 

Amadeu Martins




outroscaminhos @ 16:10

Ter, 11/12/07

Tudo acontece e eu não sei porquê.

Numa frieza imóvel, neste momento,

Que não começa nem acaba.

Só marca por dentro,

como uma tatuagem na alma.

 

Só queria gritar com a voz que não tenho,

Livrar-me deste sentimento que não percebo.

 

Porque é que ninguém me ouve?

Porque é que ninguém me vê?

 

Jamais pedi para que me compreendessem...

 

Nádia Correia nº8




outroscaminhos @ 16:05

Ter, 11/12/07

Tu és aquilo que digo,

que sinto ou faço.

 

A feliciddade invade o meu peito

E inunda o meu coraçao de amor

 

Mas lágrimas eu derramei

No momento em que te magoei.

 

A dor foi muito grande

Jamais me perdoarei.

 

Nádia Correia nº8




outroscaminhos @ 15:27

Ter, 11/12/07

É verdade está mesmo aí à porta...o quê? O tempo de férias, claro! Após 4 meses de aulas este tempo de descanso vem mesmo a calhar...Este tempo serve-nos para recuperar energias para se sobreviver ao extenuante 2º Periodo....Vai ser óptimo estar em casa sem fazer nada, sem termos de nos preocupar com testes, trabalhos, revisões,etc....Além disso evitamos as saídas da cama de manhãzinha e o fresquinho que se faz sentir a essas horas...Abençoadas sejam as férias!!

 

Boa Páscoa!!

 

António Ferreira

 

 




outroscaminhos @ 17:29

Seg, 10/12/07

Hoje, dia 10 de Dezembro, é o dia Internacional dos Direitos humanos. Como tal foi proposto a algumas alunas do clube Entre-Culturas que fizessem um cartaz e um vídeo acerca dos direitos humanos, com a finalidade de o mostrar na conferência sobre os direitos humanos que decorreu hoje, pelas 10 horas, na Escola Secundária da Amadora e para, posteriormente, afixar-se o cartaz no polivalente onde permancerá durante o resto da semana. Sendo assim, o este encontra-se agora em exposição no polivalente. Quem estiver interessado passe por lá e dê uma vista de olhos.

 

Para já deixo aqui umas imagens do cartaz. Quando tiver oportunidade coloco também o vídeo. Espero que gostem do trabalho.

Ana Rita


Tags:


outroscaminhos @ 16:38

Seg, 10/12/07

      O Natal! Ai, tão giro, o Natal! Anda tudo com o Natal na boca. Presentes para este, para aquele, para o outro. Que tédio. O natal é uma época de amor, fraternidade, amizade, blá, blá, blá... Pois, é capaz! 

       Acho que para os comerciantes é a época mais feliz do ano, porque as taxas de venda disparam devido ao consumismo desenfreado que anda por aí. O quadro dos Centros Comerciais cheios de gente, a comprarem tudo, para todos, de todos os feitios, cores, marcas, etc... demonstra bem o lado consumista desta sociedade.  

       Talvez haja quem saboreie o natal, mas acho que é uma época cheia de hipocrisia. Oferecem-se coisas àquelas pessoas com quem não gostamos de estar,ou àquelas que dizem que são da nossa família mas são tão desconhecidas como a pessoa que está a olhar para o relógio em Tóquio.  

        Fala-se de amor, dos pobres que não têm que comer, nas criancinhas que não têm presentes, entre muitos outros assuntos que parecem enternecer os corações nesta altura do ano (deve ser do frio...).  Mas o mais estranho: esses mesmos pobres só devem comer no dia de Natal, porque nos outros 364 dias simplesmente não existem. Para isso mais valia não se lembrarem. Ao fim ao cabo, não é o que fazem o resto do ano?

        Não censuro ninguém, cada um tem a sua forma de festejar o natal e eu também não faço nada para ajudar os outros. Mas não sou hipócrita.

        Para mim o natal não tem muito significado. Cada vez menos... Festejo como qualquer outro mas aquele espírito natalício ficou algures lá atrás. Talvez naquela época em que para todos o Natal parecesse importante... Nem que fosse por causa dos presentes à meia noite....  

 

          

 

A todos um Santo e Feliz Natal

 

Amadeu Martins 




outroscaminhos @ 17:23

Sab, 08/12/07

 
Há entre nós, um paradoxo temporal. Caíste no abismo quando eu nasci. É difícil conceber a morte de um anjo humano.
Porquê? Esta pergunta completamente inútil e ligeiramente romântica mantém-se iluminada no meu pensamento.
O teu jeito angelical e triste dava-te uma beleza mais extraordinária, mais bela ainda. Demasiado efémera.
Odiaste-te e, por isso, anjo triste, caíste como tudo cai. Não sabias quem eras , não te reconhecias no espelho. A tua vida eram lagos de água suja que distorciam a tua imagem ; que te enganavam: diminuíam-te. Nenhum te disse que os teus olhos eram azuis profundos. Mentiram-te porque não gostavas de ti. É fácil mentir sobre a cor do céu a um cego.
E eras, a par disso, um solitário. Estavas só. Eras completamente corroído pela tristeza do vazio. Foste completamente aniquilado pela vida , pelos outros, pelo mundo... sobretudo, por ti. Arruinaste-te .
 Ah! A tua fragilidade comove-me. Porquê? A pergunta volta a incomodar-me. Incomoda-me sempre. Queria, é verdade, ter-te dado a mão para tu agarrares a minha com força. Para eu não me perder no quarto dos espelhos mentirosos. Mas estavas tão longe, sempre... a tua mão caiu, morta, pálida e nunca chegou a conhecer a minha, ou outra qualquer que reflectisse bem a beleza da tua essência.
 O anjo morreu.
 
 Inês



outroscaminhos @ 17:17

Sab, 08/12/07

E porque nem sempre os nossos melhores amigos andam sobre duas pernas, deixo aqui algo sobre o Baltazar (ou simplesmente Balta) -o meu cão- que acompanhou toda a minha infância e adolescência e que, infelizmente, já não está cá para poder acompanhar outra fase da minha vida.

 

Balta, o meu grande amigo, com o qual eu podia partilhar todas as minhas angústias e que, com a firmeza de um olhar aconchegante, me acalmava. Amei, Amo e Amarei sempre o meu cãozinho Baltazar.

 

Abandonaste-nos de uma forma triste, não merecias ter ido assim. Merecias muito mais. Deste-nos o que de melhor um ser poderia ter dado a outro. Eras a imagem do mais positivo ser, sempre companheiro e leal. Estavas cá sempre para nós. Porém, sinto que por vezes te deixámos abandonado. Peço desculpa por tudo isso! Mas de que me valem agora as descuplas? Já não estás comigo... Eu quis estar contigo na tua recuperação mas tu não aguentaste e acabaste por ir. Espera.. oh, não!!! Eu deixei-te morrer!..Nós deixámos-te morrer! Tu aguentaste bastante tempo, nós é que não conseguimos ver os sinais! Desculpa Balta, desculpa. Não merecias nada do que passaste nesta fase final! Tu morreste por culpa de todos nós. Foi um dia repleto de azares e esses azares recaíram todos, todos, todos sobre ti. Porquê? Não merecias! A culpa primordial foi daquelas empregadas que, embora soubessem que o portão era para se manter sempre fechado, para que tu não fugisses, dicidiram deixá-lo bem aberto, e tu, com o teu andar vagaroso, lá saíste e foste dar um pequeno passeio. Depois as características negativas ou menos boas que cada um de nós carrega  viraram-se, sem que nos apercebessemos, sobre ti. A minha mãe com o seu stress e pressas de sair de casa por estar atrasada atropelou-te. A Catarina, que supostamente devia ter ido à tua procura comigo, lembrou-se, como sempre, que primeiro tinha de ir à casa-de-banho. Eu que, com a minha calma, atendi ao pedido da Catarina (queria que eu esperasse por ela, desta forma trariamos o Balta para casa ao colo) e não tive o impulso de ir imediatamente procurar-te. Ao João, meu irmão, nem o vi enquanto tudo isto acontecia.

Foi tudo muito triste.. No dia a seguir a teres sido atropelado foste operado e resististe à operação. E no dia em que nós te íamos levar novamente ao Hospital morreste. Devíamos ter ido mas cedo... mas não vimos os sinais! Nunca esqueceremos o teu olhar, o teu carinho, a tua fidelidade. Deste-nos o que de melhor um ser poderia ter dado a outro.

 

Deixo aqui duas fotos do Baltazar, um Golden Retriever. A segunda foto mostra-nos o quão tolerantes são os cães desta raçaJ.Ana Rita



Depois de concluirmos uma etapa, e porque a vida não pára, chegam novas aventuras e novas descobertas por novos caminhos....
Dezembro 2007
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9

16
17
18
19
20
21
22

24
25
27
28

30


Encontre o caminho
 
subscrever feeds
blogs SAPO