outroscaminhos @ 19:33

Ter, 13/11/07

 Desta vez reenviámos e-mails para as associações anteriormente contactadas por nós, na esperança de obter finalmente uma resposta, apesar de já termos outras associações em mente, na hipótese de não conseguirmos respostas das iniciais. Uma das "novas" associações com a qual tentaremos entrar em contacto é a APAV (Associação Portuguesa de Apoio à Vítima).

 Ainda a partir da CIDM, estando esta associação a planear celebrar o dia 25 de Novembro, iremos trabalhar na elaboração de panfletos com o objectivo de suscitar interesse e atenção por parte das pessoas para este dia.

 O dia 25 de Novembro, Dia Internacional pela Eliminação da Violência Contra a Mulher, em 1999, foi assim designado pelas Nações Unidas (ONU) denunciando a violência praticada contra as mulheres que, pelos dados vindos a público, coloca a humanidade perante um dos problemas mais dramáticos de desrespeito pelos mais elementares direitos humanos.

 Por fim, tivemos a ideia de tentar obter informações a partir da conhecida campanha, "MTV Exit", na qual é abordado o tema do tráfico humano e achámos que poderíamos vir a obter material útil como "ajuda" para a realização do nosso trabalho a nível da discriminação da mulher em Portugal e também em casos de emigração.

 Deixo então, para quem estiver interessado, um vídeo de publicidade da campanha "MTV Exit" que penso que chama a atenção pera o tema "Tráfico humano", tanto de quem já seja conhecedor deste tema, como para quem não tenha ainda grandes informações.

 

 

 

                      Daniela Araújo

 

 

                                                                                




outroscaminhos @ 16:21

Ter, 13/11/07

 

  Nesta aula prosseguimos com a nossa pesquisa acerca do tema e contactámos duas novas associações via e-mail, nomeadamente a CITE e a OIKOS. Pesquisámos ainda  na internet novas associações tendo em conta que as contactadas até à data presente não nos responderam. Em casa contactei via telefone faculdades como o ISPA, a UCP(Universidade Católica Portuguesa) e a Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação. Todas as faculdades referiram que não nos poderiam ajudar no nosso trabalho. Contactei ainda a  TVI ,onde falei com o gabinete de recursos humanos que me informou que poderíamos enviar o nosso pedido mas que seria em vão uma vez que nao respondem a esse tipo de solicitações.

 

 

Ana Margarida Pedro Nº27

 

 




outroscaminhos @ 16:00

Ter, 13/11/07

Foi à medida que o tempo passava e que íamos falando, conhecendo as partes fracas de cada uma, os defeitos e as qualidades, que a confiança cresceu em nós e nos fez desabafar, apoiar, criticar e elogiar… Porque a amizade não é feita apenas daquilo que queremos ou gostamos de ouvir, mas sim de sinceridade!
E a nossa amizade é assim: dizer as coisas que até podem fazer o menor sentido do mundo, mas que nos fazem pensar seriamente que só a partir dessas palavras poderemos encontrar o verdadeiro sentido da vida...A vida! O que seria da minha sem ti?
Tivemos conversas que sérias que me faziam tão, mas tão bem, que as repetia em mim vezes sem conta.
Foi em ti que encontrei aquilo que todos desejam: a amizade pura e verdadeira! Uma sensação de bem-estar que me transmite vontade para, a cada dia que passa, confiar mais em ti, conhecer mais uma parte de ti, gostar cada vez mais de ti!
Admiro-te… Acima de tudo orgulho-me da pessoa que és, porque és natural, simples, única e essencial!

Porque antes de eu saber o que sinto, já tu o disseste, porque antes de eu precisar de ti, já tu estavas lá, porque me conheces como ninguém! Sei que a melhor maneira de te agradecer por tudo o que já fizeste por mim e por tudo aquilo que sei que continuarás a fazer é dar-te a minha amizade, mais do que aquela enorme que já existe entre nós!
Porque a amizade é mais importante que o amor…Eu amo-te a ti!
 
AMO-TE MELHOR AMIGA @ 

A TI, MÓNICA FIGUEIREDO MONTEIRO!

Telma#9




outroscaminhos @ 15:25

Ter, 13/11/07

   … Era como um zero no mundo. Pensava que estava só mas, será que estava?
   Sentia-me perdida na noite calma e escura mas, não sabia se estava tranquila com tanta acalmia e solidão, se em pânico e com claustrofobia, pois embora deambulasse livre como um pássaro a voar, parecia que estava presa numa gruta ou, até mesmo, num labirinto sem solução. Apenas me fazia acompanhar das estrelas que porventura poderiam orientar as minhas decisões.
 
  Joana Beites
 


Depois de concluirmos uma etapa, e porque a vida não pára, chegam novas aventuras e novas descobertas por novos caminhos....
Novembro 2007
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9

15
17

21
24

26
28
30


Encontre o caminho
 
subscrever feeds
blogs SAPO