outroscaminhos @ 18:04

Seg, 21/04/08

 


Desejava que pudesses ver....
A tristeza de um homem de negócios
quando o trabalho da sua vida desaparece em chamas, ou uma família que regressa
a casa e apenas encontra a sua casa e os seus pertences danificados ou destruidos...

Desejava que pudesses saber....
O que é procurar num quarto a arder por crianças presas, as chamas por cima da tua cabeca, as palmas das mãos e os joelhos a queimaram enquanto tu rastejas, o chão a ranger com o teu peso, enquanto a cozinha arde por baixo de ti.

Desejava que pudesses compreender....
O que é ir para uma casa a arder e ter de tirar de lá colegas bombeiros 
porque não conseguiram sair.

Desejava que pudesses compreender...
O horror de uma esposa quando ás 3 da manhã verifica que o marido nao tem pulso...
Início o S.B.V.(suporte básico de vida) na mesma, esperando uma hipótese muito remota de trazê-lo de volta, sabendo instintivamente que era tarde demais,mas querendo que a família soubesse que tudo o que era possível foi feito.

Desejava que pudesses saber ....
O cheiro único de uma queimadura, o gosto da saliva com sabor
a fuligem, sentir o intenso calor que passa através do equipamento, o som dos estalos das chamas, a sensação de não conseguir ver absolutamente nada através do fumo denso ...

Desejava que pudesses compreender ....
Como nos sentimos ao ir para o trabalho ou escola de manhã após passarmos a maior parte da noite suando com o calor de


Desejava que pudesses ler ....
O meu pensamento

quando respondo a uma chamada para um edifício a arder.

"Será falso alarme ou um enorme incêndio? Como será a construção do edifício? Que perigos esperam por mim? Estará alguém lá dentro ou saíram todos?" "Ou para uma chamada de socorro," o que se passará com o doente? Será que a pessoa que telefonou está mesmo em apuros ou estará á minha espera com uma arma?".

Desejava que pudesses estar ....
Na sala de reanimação quando o médico decide anunciar a morte da linda menina de cinco anos que tenho tentado salvar durante os 25 minutos anteriores e que nunca irá ter o seu primeiro namorado, nem nunca mais irá dizer "gosto muito de ti, mãe"

Desejava que pudesses saber....
A frustração que sinto na cabina do autotanque ou da ambulância, o motorista com o acelerador a fundo, o meu braço a
tocar a sirene vezes sem conta quando não se consegue passar por um cruzamento ou no meio do trânsito.
Quando vocês precisam de nós, no entanto, o primeiro
comentário quando chegamos é "levaram muito tempo para cá chegar".


Desejava que pudesses ler ....
Os meus pensamentos enquanto ajudo a retirar os restos de uma jovem do seu veículo contorcido, "e se fosse a minha
irmã, a minha prima ou alguma amiga? Qual será a reação dos seus pais quando abrirem a porta e verem os polícias?"

Desejava que pudesses saber...
Como é entrar em casa e cumprimentar a familia não tendo coragem para lhes dizer que quase não voltei da última chamada.

Desejava que pudesses sentir ....
Os meus sentimentos quando as pessoas verbalmente, e ás vezes
fisicamente, nos maltratam ou subestimam o que fazemos, ou quando têm a atitude "isto nunca me aconteceria".

Desejava que pudesses perceber ...
A instabilidade mental, emocional e física de refeições perdidas, sonos perdidos e a falta de actividades sociais associadas todas ás tragédias que os meus olhos já viram.

Desejava que pudesses saber...
A irmandade que existe e a satisfação de ajudar a salvar uma vida, a preservar as coisas de alguem, a estar "lá" nos tempos de crise ou a criar ordem quando existe um caos total.


Desejava que pudesses compreender ....
Como nos sentimos quando temos uma criança a puxar-nos o braço e a perguntar "a minha mae está bem?" sem sequer se conseguir olhar nos seus olhos sem deixar cair umas lágrimas e sem saber o que
responder. Ou ter de segurar um amigo de longa data enquanto o seu companheiro vai na ambulancia a receber respiração boca-a-boca sabendo de antemao que ele não trazia o cinto de seguranca posto.


A menos que tenhas vivido este tipo de vida, nunca conseguirás entender verdadeiramente ou apreciar
O QUE NÓS SOMOS OU O QUE O NOSSO TRABALHO SIGNIFICAM REALMENTE PARA NóS... 

Desejava que pudesses......

 Não é a farda que faz um bombeiro... é o espírito de entrega ao próximo e de sacrifício que faz o que somos...

Ana Margarida Pedro

 


 



Amadeu Martins @ 14:10

Ter, 22/04/08

 

Um trabalho como poucos, onde se testa tudo: capacidades psicológicas, físicas, onde se demonstra o que a pessoa é, o que a pessoa vale na situação real, sem nunca esquecer os colegas e sem nunca esquecer que as palavras SALVAR, AJUDAR e PROTEGER são as de ordem!!! Um trabalho que marca, que não há dinheiro que pague, mas que ajuda a crescer por dentro, a ser melhor pessoa e principalmente a perceber os outros esuqecendo a nossa dor, a nossa revolta e acima de tudo a nossa emoção.

Não tenho dúvidas que darás uma boa bombeira, pois sei o grande coração que tens, a forte personalidade e acima de tudo sei que nunca desistirás das causas, mesmo que te custe muito... Já sabes que um sorriso ajuda sempre a curar qualquer ferida.

Um bonito texto :P

Bjokas


Ana Rita @ 16:27

Ter, 22/04/08

 

Desejava que soubesses o quanto o teu texto tornou lúcidas algumas ideias, agora tenho uma noção diferente e mais realista daquilo que se passa. Obrigada pela informação transmitida, obrigada pelo vosso serviço!

Depois de concluirmos uma etapa, e porque a vida não pára, chegam novas aventuras e novas descobertas por novos caminhos....
Abril 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
12

14
16

20
24
26

27
28
29


É hora de caminhar...
Caminha-se melhor com música
Encontre o caminho
 
Caminha-se melhor com música
blogs SAPO