outroscaminhos @ 15:06

Dom, 26/10/08

Voluntariado!

 

   Relembrando aquele projecto que cresceu connosco durante um ano e que nos deixou marcas tão profundas... Foi um projecto muito enriquecedor que exigiu muito de nós mas que também nos ofereceu um conjunto de experiências novas e que tiveram um gostinho muito agradável...

 Agora do outro lado, a fazer voluntariado, a ser voluntário, a estar ali com aquelas crianças que requerem a nossa atenção, é uma experiência totalmente diferente. É como que estivéssemos a viver uma história sendo nós próprios as personagens. Estamos ali perante elas, perante os pais, perante aquele ambiente pesado de si, com choros ao fundo, gritos ao lado, risos normais ou timidos de crianças que são heróis pela sua força.

  Ali não há muito tempo para pensar. Também não convém. Temos que ser racionais e mantermo-nos como personagens. Toda aquela história é ficção, pelo menos para nós, porque para quem fica para lá daquele elevador aquela história é bem real, mas para nós continua a ser ficção pois só assim podemos entrar nela, sair, voltar a entrar sem nos magoarmos.

  As crianças são capazes de nos ensinar muito: ensinam-nos com a sua inocência, com a sua fragilidade, com as suas brincadeiras, com os seus gestos, com os seus sorrisos sinceros, com tudo aquilo que têm e que nos podem oferecer. Ensinam-nos a sermos adultos melhores, pessoas melhores, mais fortes e mais corajosas.

   Os pais, talvez o mais dificil! Eles são adultos e têm que cuidar dos seus filhos, mas até que ponto é que aguentam toda aquela pressão, até que ponto é que estão preparados?!. Sim eu sou só uma personagem. Aquilo é tudo ficção. Mas eles atraiem-nos para a realidade quando conversam connosco, quando desabafam, quando querem uma solução que nós não temos. Ninguém tem. 

   Como personagens que somos, e com papeis muito secundários, às vezes até de simples figurantes, fazemos aquilo que está ao nosso alcance, naquele momento, naquele lugar. Nunca mais somos lembrados porque somos apenas personagens que não se perpetuam na história. Personagens de valor porque estamos presentes naquele momento e naquele lugar, e isso chega.

   Porque no filme da vida as personagens principais apenas contam a história, as outras, aquelas que têm os papeis mais secundários são quem faz a história.

 

 

                                                                                                                      Amadeu Martins

 

 

     

  




outroscaminhos @ 21:36

Sex, 24/10/08

 

Talvez seja tão simples, tolo e natural
que nunca tenhas parado para pensar:
Aprende a fazer bonito o teu amor.
Ou fazer o teu amor ser ou ficar bonito.

Aprende, apenas, a tão difícil arte de amar bonito.
Gostar é tão fácil que ninguém aceita aprender...
Tenho visto muito amor por aí.
Amores mesmo: bravios, gigantescos, descomunais,
profundos, sinceros, cheios de entrega, doação e dádiva.
Mas esbarram na dificuldade de se tornarem bonitos.
Apenas isso: bonitos, belos ou embelezados,
tratados com carinho, cuidado e atenção.
Amores levados com arte e ternura de mãos jardineiras.
Aí, esses amores que são verdadeiros,
eternos e descomunais, de repente se percebem
ameaçados e tão somente porque não sabem ser bonitos:
cobram, exigem, rotinizam, descuidam, reclamam,
deixam de compreender, necessitam mais do que oferecem,
precisam mais do que atendem, enchem-se de razões.
Sim, de razões.
Ter razão é o maior perigo no amor.
Quem tem razão sempre se sente no direito (e o tem)
de reivindicar, de exigir justiça,
equidade, equiparação, sem atinar que o que
está sem razão talvez passe por um momento de sua vida
no qual não possa ter razão.
Nem queira!!!
Ter razão é um perigo: em geral, enfeia um amor,
pois é invocado com justiça, mas na hora errada.
Amar bonito é saber a hora de ter razão.
Põe a mão na consciência.
Tens a certeza de que estás a fazer o teu amor bonito?
De que estás a tirar do gesto, da acção, da reacção,
do olhar, da saudade, da alegria do encontro,
da dor do desencontro a maior beleza possível?
Talvez não.
Cheio ou cheia de razões, separas do amor
apenas aquilo que é exigido por suas partes necessitadas,
quando talvez dele devesse pouco esperar, para valorizar
melhor tudo de bom que de vez em quando ele pode trazer.
Quem espera mais do que isso sofre e,
sofrendo, deixa de amar bonito.
Sofrendo, deixa de ser alegre, igual, irmão, criança.
E sem soltar a criança, nenhum amor é bonito.
Não temas o romantismo.
Derruba as cercas da opinião alheia.
Faz coroas de margaridas e enfeita a
cabeça de quem amas.
Sai cantando e olha alegre.
Recomenda-se: encabulamentos, ser apanhado
em flagrante a gostar, não se cansar de olhar e olhar,
não atrapalhar a convivência com teorizações, adiar sempre ...
se possível com beijos ...
"aquela conversa importante que precisamos ter",
arquivar, se possível, as reclamações
pela pouca atenção recebida.
Para quem ama, toda atenção é sempre pouca.
Quem ama feio não sabe que pouca atenção
pode ser toda a atenção possível.
Quem ama bonito não gasta tempo dessa atenção
cobrando a que deixou de ter.
Não teorizes sobre o amor
(deixe isso para nós, pobres escritores que vemos a vida
como criança de nariz encostado na vitrine
cheia de brinquedos dos nossos sonhos);
não teorizes o teu amor, AME.

Segue o destino dos sentimentos aqui e agora.
Não tenhas medo exactamente de tudo o que temes,
como: a sinceridade, abrir o coração, contar a verdade
do tamanho do amor que sentes;
não resultar e depois vir a sofrer
(sofrerás de qualquer maneira).

Termina todas as jogadas, estratagemas,
golpes, espertezas, atitudes sabiamente eficazes
(não é sábio ser sabido): sê apenas tu
no auge da tua emoção e carência,
exactamente aquele tu que a vida impede de ser.

Sê tu mesmo cantando desafinado, mas todas as manhãs.
Falando asneiras, mas criando sempre.
Gaguejando flores.
Sentindo o coração bater como no tempo de Natal infantil.
Revivendo os caminhos que intuiste em criança.
Sem medo de dizer eu quero, eu estou com vontade.

Deixa o teu amor ser a mais verdadeira
expressão de tudo que és.

Se o amor existe, o teu conteúdo já é manifesto.

Não te preocupes mais com ele e com as suas definições.
Cuida agora da forma.
Cuida da voz.
Cuida da fala.
Cuida do cuidado.
Cuida de ti.
Ama-te o suficiente para ser capaz de gostar do Amor
e só assim poder começar a tentar fazer o outro Feliz.

 

Arthur da Távola

 

 

 

 

 

( O meu amor, o nosso amor... é muitíssimo bonito e verdadeiro. Nós temos uma razão: “I was made for you and you for me”. Nós somos duas metades que quando se unem tornam-se num só! Juntos somos felizes. AMO-TE <3 )
 
 
Joana Beites.

 

 

 


sinto-me: completa
música: The story - Brandi Carlile


outroscaminhos @ 15:59

Dom, 19/10/08

 

Olho para o céu. Não há estrelas.
Procuro em busca da luz do luar.
Apenas encontro escuridão.
Queria tanto encontrar-te.
Ver-te por uma última vez.
Dizer-te como estou feliz!
Dizer-te como tenho saudades!
Querer falar contigo! Olhar-te...
Mas a escuridão não deixa.
O tempo não recua!
A manhã nunca mais chega,
Para eu deixar de te procurar.
 
Sabes o que mais me custa?
Saber que nunca te encontrarei.
E continuar a procurar no vazio.  
Chamam-lhe saudade.
Para mim é sofrimento.
 
Estou cansado.
Hoje foi um dia difícil.
Sei que amanha vai ser mais fácil.
Tem que ser mais fácil.
Mas quando deixarei de te procurar?
 
 

      Amadeu Martins


sinto-me:
música: Heavy on my heart - anastacia
Tags:


outroscaminhos @ 10:30

Sex, 17/10/08

 

        Sabem que dia é hoje?
     
17 de Outubro – Dia Internacional da Erradicação da Pobreza e Exclusão Social.
 
       A data, estabelecida pela Organização das Nações Unidas (ONU) em Dezembro de 1992 e comemorada pela primeira vez a 17 de Outubro de 1993, é celebrada com acções públicas pelas Organizações Não-governamentais (ONG) que promovem a luta pelo fim da miséria.
Uma das principais frentes desta luta é pressionar os governos a adoptar políticas que impulsionem a inclusão social e económica e tornem efectivas as medidas que visam a erradicação da pobreza e o combate à desigualdade e ao preconceito.
Uma dessas acções públicas é o movimento «Levanta-te Contra a Pobreza», que pretende aliciar mais de 10 mil pessoas no mundo inteiro para que se levantem em sinal de protesto contra a pobreza.” Em 2006, 23 milhões de pessoas em todo o mundo levantaram-se contra a pobreza sob a iniciativa “Levanta-te”.
Em Portugal, a iniciativa foi feita pela “Portugal Zero” que conseguiu 19.949 portugueses. Este ano espera-se conseguir superar o recorde do Guiness estabelecido no ano passado
         A população portuguesa está entre as mais afectadas pela pobreza considerando os países da União Europeia. A taxa de pobreza atinge já um em cada cinco portugueses. Os jovens e os idosos estão entre os mais afectados, mas a pobreza está a atingir novas camadas da sociedade, o que torna o problema mais amplo e complexo. Para assinalar este dia, “Médicos do Mundo” estará presente na Assembleia da República para denunciar a situação em Portugal.
     
        É urgente agir e a tua voz conta, por isso LEVANTA-TE E FAZ-TE OUVIR!
 
 
Joana Beites

sinto-me: solidária com estas pessoas!


outroscaminhos @ 16:04

Qui, 16/10/08

Diferenças entre o secundário e a faculdade: quase nenhumas!

 

De livros de 200 paginas, passamos para livros de 1500 paginas.

De aulas com no máx 30 pessoas, passamos a ter aulas com mais de 100 pessoas.

De aulas de 90 minutos, passamos a ter aulas de 3 horas.

De aulas secantes, passamos para aulas em que entramos burros e saímos estúpidos.  

De conhecermos pessoas só de um local, conhecemos pessoas de toda a parte.

De matéria muito geral, passamos a dar coisas mais do nosso interesse.

De exercícios mais ou menos simples, passamos para exercicios para génios.

De regime de faltas obrigatório, passamos para o "vai ao que te apetecer"

De testes e períodos passamos a ser avaliados por um teste em que sai matéria de 6 meses, na maioria dos casos.

De aulas práticas em laboratórios simples, passamos a ter aulas em laboratórios a sério.

De nome de pessoa, passamos a ser um número com 6 dígitos.

De aulas escritas em quadros de giz, passamos a aulas integrais em powerpoint.

 

 

 

O secundário é bom, a faculdade melhor, porque apesar de tudo isto, é um período em que a diversão reina, as amizades geram-se, mas é estritamente necessário uma coisa: GOSTAR DO CURSO ONDE SE ESTÁ!

 

                                                                                                             Amadeu Martins

 

 


sinto-me: TMN
Tags:


outroscaminhos @ 20:37

Qua, 15/10/08

Quando lhe dizem que não pode fazer algo. . . 




 Dê uma olhadela em volta. . .  

 

 




Considere todas as opções...



Então vá em frente! 




Use todas os recursos que tem! 




Seja criativo!


 

 

No fim, você terá sucesso e provará que estavam errados!




Lembre-se sempre:

 
Nada é impossível, quando você deseja de coração!

 

Não fale sobre o tamanho dos seus problemas, fale sobre o tamanho da sua determinação em resolvê-los...             

Joana Beites

 
 
 
 
 
 
 
 

sinto-me: Determinada e Confiante


outroscaminhos @ 15:05

Dom, 12/10/08

Olaaa' malta

 

 

Pensavam que se viam livre de mim era ?! Pois temos pena porque estou de volta!

Apo's um ano lectivo chegaram as fe'rias e como toda a gente ausentei-me para as gozar e disfrutar da melhor maneira, no entanto fiquei sem acesso 'a internet .

Espero que se encontrem todos bem  ( isto parece uma carta entre velhotes)!

Antes que me esqueça, quero dar os parabe'ns e desejar muitas felicidades 'a MARTINHA e 'a professora RAQUEL CARTAXO! Custou mas foi ham

E desejar muitas felicidades aos meus restantes colegas pois muitos deles entraram numa nova etapa, universidade e tal... Eu adiei essa tarefa para o proximo ano!

 

Ah e tambe'm gostei da mudança de visual do blog... muito bem! Sempre aplicados e preocupados com a imagem eheh

Mas parece que o blog anda pouco movimentado ! Eu sei que sentiram a minha falta mas n~ao era caso para abandonarem um blog com t~ao boa qualidade... Va' la' visitem, comentem e, caros colegas e ex-professores postem porque o blog precisa de uma equipa e o 7 n~ao pode acabar!

 

Pronto, ja' sei que ja' est~ao a ficar fartos da minha ladaínha vou-me ja' embora!

Ate' breve e muitos beijinhos para todos

 

 

PS.: Peço desculpa pela ause^ncia de acentos ortogra'ficos mas o meu pc... a modos que esta' parvinho e n~ao me deixa escrever o bom portugue^s!

 

 

Joana Beites

 




outroscaminhos @ 16:24

Dom, 05/10/08

 

  Pois é! Agora que as praxes já acabaram já posso ter uma opinião formada! Eu sou nitidamente a favor das praxes, porque apesar de tudo, e acreditem que sofri bastante nestas praxes! As praxes servem para nós nos integrarmos naquele grupo de pessoas com quem iremos passar os próximos 4 anos (ou mais...) das nossas vidas. O objectivo simples das praxes é esse.

  O primeiro dia nós sentimo-nos mal porque a pressão psicológica que os senhores veteranos exercem sobre nós "bichos" é realmente muita.

  O segundo dia foi bastante tranquilo na parte da manhã, em que os nossos veteranos já conversavam connosco, já podíamos falar mais abertamente, já não havia tanta pressão. Mas à tarde veio a corrida das tascas que é assim o clÍmax das praxes e aí sim ficamos todos sujos, com um cheiro nada agradável, fazem-nos fazer coisas que são mesmo nojentas mas é aí que ganhámos um espÍrito de grupo incrível e também um espÍrito de autoconfiança, solidariedade e o espÍrito de honra do curso.

  Exageros? Sim alguns, mas é para isso que servem os tribunais de praxe que estão desenvolvidos dentro da comissão de praxes.  

  No meu curso os nossos veteranos são espectaculares e sempre nos apoiaram demonstrando sempre grande preocupação com todos os "bichos", agora caloiros.

   No terceiro dia há a praxe conjunta que consiste apenas na apresentação de uma peça de teatro com humor e crítica.

   As praxes terminam com o baptismo do caloiro em que há muita água, mas mesmo muita água fria a cair pela nossa cabeça abaixo.

   Eu, apesar de tudo, gostei das praxes. Embora tenha ficado sem cabelo, acho que desenvolvemos um espírito muito bom na nossa turma e entre caloiros e veteranos havendo uma grande ajuda entre alunos de todos os anos.

  Agora que acabaram as praxes há muito estudo pela frente. A próxima etapa: enterro do caloiro em Maio.

 

 

                                         O Caloiro (lol)

                                                                   Amadeu Martins


sinto-me: TMN
música: E A TASCA É NOSSA!!!

Depois de concluirmos uma etapa, e porque a vida não pára, chegam novas aventuras e novas descobertas por novos caminhos....
Outubro 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

13
14
18

20
21
22
23
25

27
28
29
30
31


É hora de caminhar...
Caminha-se melhor com música
Encontre o caminho
 
Caminha-se melhor com música
subscrever feeds
blogs SAPO