outroscaminhos @ 21:37

Qua, 30/04/08

Nada temas que deste lado do rio ninguém te condena, ninguém recolherá a mão no instante da oferta de ajuda. Aqui, também somos como tu, também somos fugitivos que encontraram na fuga a coragem de viver. Quem vive sob represálias e opressões não vive na sua plenitude, não vive completamente, existir não é a mesma coisa...

Nada receies, aqui deste lado do mundo banhado pela sombra, somos todos amigos. Nenhum de nos te apunhalará e nenhum de nos te olhará com desdém. Aqui, deste lado do espelho, não temos nem as riquezas nem as regalias dos outros, mas tudo o que damos é dado realmente, a única coisa que se espera em troca é o respeito silencioso .Mas sim é verdade, pouco ou nada temos a oferecer.

Porém, vejo no teu gesto mais simples que nada mais queres do que ser tu, aceitar os outros e ser aceite, manter a terra redonda, manter o céu e mar de tons de azuis diferentes. Nada mais és senão a pessoa de pensamentos reflexivos, tens a tua consciência que te serve de guia. Pertences aqui, ao lugar dos renegados.

 Os teus olhos estão cansados e brilhantes, esperam ainda o fogo da vida. A tua face pálida carece de Sol, que aqui não existe. Em parte condenaram-te... Os Outros, ocos por dentro e disformes por fora, arruinaram-te. Mas milagre humano e credível, sobreviveste, levantaste-te; roubaram-te, mas não levaram o essencial. Na verdade, és um obstáculo para os outros, os do Outro Lado. Diminui-los, reduze-los a cinzas, mostras-te grande na tua simplicidade profunda. Não  ,não sou como tu, nasci já deste lado do espelho...E além disso, fui soldado de guerra, aprendi a fuzilar.

Nada temas, que deste lado todos temos cicatrizes deixados pelas lutas com os Outros, umas maiores e mais frescas que outras. Seja de qualquer forma, deixámos o sangue nas praias, calcado nas rochas. Agora renovámo-nos. E recebemos-te verdadeiramente. Aqui não há instrumentos de tortura. Descansa em paz, irmão.

Maria InEs C.




outroscaminhos @ 22:04

Sex, 25/04/08

         A indefinição...O que será realmente a indefinição? Talvez seja o eu não conseguir definir o seu conceito ou até mesmo este ser um significado tão complexo, com tantas interpretações que não me permite perceber o quão incerto é, não havendo significação cabível.
        Neste momento, tudo é incerto, nada se define, nada se traça, nada aparece, nada corre bem... Interrogo-me "porque será isto assim?"...Será tão difícil definir o que quero, quem me quer, o que não quero e o que já quis?
        Não! Não, não não...O erro está na vontade, na acção no verbo, que não pode ser querer mas sim poder... Porque nem tudo o que queremos podemos e, muitas vezes o que podemos não corresponde ao desejado.
        É pena só ter percebido isto agora, depois de tanta luta, sacrifício, cansaço e esforço, esforço, muito esforço. Encaro o sonho como feito de pedaços que se vão conseguindo adquirir aos poucos, um puzzle, onde cada peça ganha corresponde a uma vitória, que embora pequena e simples nos continua a guiar no caminho da realização. Tenho pena, muita pena que o meu puzzle esteja incompleto, que me faltem muitas peças para o terminar... Talvez se reduzir o seu número o consiga completar!
        Talvez seja este o meu caminho: aceitar o pouco, visto que não tenho capacidade para mais...



Telma Afonso #9

sinto-me: no fim...


outroscaminhos @ 21:00

Sex, 25/04/08

   Pois é! Faz hoje precisamente um mês que cinco aventureiros embarcaram numa viagem pelo centro Norte de Portugal em que ninguém imaginava o que iria acontecer. Certo é, que cada momento era marcado por uma onda de riso que custava a cessar.

   Todos os dias ocorreram situações que de uma forma ou de outra marcavam o momento. Claro que tudo de uma forma bem-disposta e divertida. Desde o choque que deixou os dedos da Telma pretos e deitou o quadro abaixo, até ao colchão em que ninguém queria pegar, passando pela situação do restaurante fino onde se trocaram os copos, talheres e todos aqueles materiais complexos, o grito da Joana com o jogo, o varão que cai a meio da noite, enfim... todo um conjunto de situações incompreensíveis para pessoas que se consideram “normais”, mas muito hilariantes para os cinco malucos.

   Certo é que cada momento foi aproveitado como único e passavam-se 22 horas por dia (sim porque pouco se dormia) de uma forma muito divertida e alegre.

   Os sítios onde fomos e que ficámos a conhecer foram uma autêntica surpresa: andar no cume da Serra da Estrela com ventos superiores a 100 Km/h com um taxista que nos divertia com o estado do tempo e com a frase "Foi PORREIRO PAH!" foi uma experiência única, bem como andar  na neve. Coimbra foi outra das surpresas que nos calhou em sorte. Foi uma cidade explorada e descoberta por nós, onde visitámos todos os monumentos e a Quinta das Lágrimas.

   Apesar de tudo podemos dizer que foi uma viagem que nos marcou muito. Ainda hoje damos grandes gargalhadas relembrando situações passadas, e tenho a certeza que daqui a uns anos, quando nos encontrarmos e relembrarmos toda esta aventura a frase que vai ficar foi que "FOI PORREIRO PAH".

Amadeu Martins




outroscaminhos @ 17:09

Qua, 23/04/08

É o criador do fogo,

O purificador e o Condenador.

Está-lhe no coração, quente

E perigoso como a

Ilusão lúcida.

 

É senhor do Mar,

Domina-o,

Porque o conhece.

Está-lhe nas veias,

É guerreiro de Sangue,

Mas a sua alma é azul

Transparente.

 

A terra pertence-lhe, porque

São um só.

Cumprem o ciclo. Um

Gera outro.

Mas divide-se em metades,

Terá sempre a terra de cor

Humana,

Olhará sempre o Céu

Olímpico.

 

Nasceu Homem, e não

Pássaro de Fogo.

Esta só no mundo,

Ninguém compreende

O Ícaro Bélico

Que carrega em si.

 

Maria InEs C.




outroscaminhos @ 17:32

Ter, 22/04/08

      Agarro a janela para tentar alcançar o mundo livre de escolhas e oportunidades, não permito que se feche. Lá fora é tão bonito, embora pareça longe tenho todo o seu panorama. Tento entrar nesse mundo que tanto desejo, talvez por ser tão belo e grandioso seja a razão pela qual paraliso e não o consigo alcançar, talvez por o desejar tanto, talvez pelo medo que tenho em não o conseguir. Estou sempre neste vai e não vai. Por vezes respiro profundamente a brisa que entra pela janela. Que sensação, que brisa agradável e profunda! E depois tenho a certeza, é esse mundo que quero, que me realiza, que me faz feliz!



Ana Rita



outroscaminhos @ 19:36

Seg, 21/04/08

Hoje vou esquecer os problemas e as preocupações. Não me vou preocupar com as horas, com os outros ou com o que virá a seguir. Hoje só existo para ti e por ti.

Hoje quero ouvir o teu riso, quero olhar-te nos olhos e ficar em silêncio, porque não é preciso dizermos nada. Esse olhar vale mais que mil palavras. Quero ouvir as tuas palavras doces enquanto mexes nos meus cabelos e quero que me abraces para me sentir pequena, segura e protegida.

Hoje vou ouvir tudo o que tens para dizer, sem pressas nem interrupções porque hoje tenho o tempo todo só para ti. Vou segredar-te ao ouvido o mesmo de sempre e vou agarrar a tua mão como sempre faço.

Hoje tudo é perfeito, cada sorriso, cada gesto, cada palavra e tudo porque só existimos nós os dois e porque nada mais importa. O melhor de tudo é que tenho a certeza de que este hoje não vai terminar. Eu vou existir sempre só para ti.

 

 

                      

Ana Silva


sinto-me: muito bem contigo


outroscaminhos @ 18:04

Seg, 21/04/08

 


Desejava que pudesses ver....
A tristeza de um homem de negócios
quando o trabalho da sua vida desaparece em chamas, ou uma família que regressa
a casa e apenas encontra a sua casa e os seus pertences danificados ou destruidos...

Desejava que pudesses saber....
O que é procurar num quarto a arder por crianças presas, as chamas por cima da tua cabeca, as palmas das mãos e os joelhos a queimaram enquanto tu rastejas, o chão a ranger com o teu peso, enquanto a cozinha arde por baixo de ti.

Desejava que pudesses compreender....
O que é ir para uma casa a arder e ter de tirar de lá colegas bombeiros 
porque não conseguiram sair.

Desejava que pudesses compreender...
O horror de uma esposa quando ás 3 da manhã verifica que o marido nao tem pulso...
Início o S.B.V.(suporte básico de vida) na mesma, esperando uma hipótese muito remota de trazê-lo de volta, sabendo instintivamente que era tarde demais,mas querendo que a família soubesse que tudo o que era possível foi feito.

Desejava que pudesses saber ....
O cheiro único de uma queimadura, o gosto da saliva com sabor
a fuligem, sentir o intenso calor que passa através do equipamento, o som dos estalos das chamas, a sensação de não conseguir ver absolutamente nada através do fumo denso ...

Desejava que pudesses compreender ....
Como nos sentimos ao ir para o trabalho ou escola de manhã após passarmos a maior parte da noite suando com o calor de


Desejava que pudesses ler ....
O meu pensamento

quando respondo a uma chamada para um edifício a arder.

"Será falso alarme ou um enorme incêndio? Como será a construção do edifício? Que perigos esperam por mim? Estará alguém lá dentro ou saíram todos?" "Ou para uma chamada de socorro," o que se passará com o doente? Será que a pessoa que telefonou está mesmo em apuros ou estará á minha espera com uma arma?".

Desejava que pudesses estar ....
Na sala de reanimação quando o médico decide anunciar a morte da linda menina de cinco anos que tenho tentado salvar durante os 25 minutos anteriores e que nunca irá ter o seu primeiro namorado, nem nunca mais irá dizer "gosto muito de ti, mãe"

Desejava que pudesses saber....
A frustração que sinto na cabina do autotanque ou da ambulância, o motorista com o acelerador a fundo, o meu braço a
tocar a sirene vezes sem conta quando não se consegue passar por um cruzamento ou no meio do trânsito.
Quando vocês precisam de nós, no entanto, o primeiro
comentário quando chegamos é "levaram muito tempo para cá chegar".


Desejava que pudesses ler ....
Os meus pensamentos enquanto ajudo a retirar os restos de uma jovem do seu veículo contorcido, "e se fosse a minha
irmã, a minha prima ou alguma amiga? Qual será a reação dos seus pais quando abrirem a porta e verem os polícias?"

Desejava que pudesses saber...
Como é entrar em casa e cumprimentar a familia não tendo coragem para lhes dizer que quase não voltei da última chamada.

Desejava que pudesses sentir ....
Os meus sentimentos quando as pessoas verbalmente, e ás vezes
fisicamente, nos maltratam ou subestimam o que fazemos, ou quando têm a atitude "isto nunca me aconteceria".

Desejava que pudesses perceber ...
A instabilidade mental, emocional e física de refeições perdidas, sonos perdidos e a falta de actividades sociais associadas todas ás tragédias que os meus olhos já viram.

Desejava que pudesses saber...
A irmandade que existe e a satisfação de ajudar a salvar uma vida, a preservar as coisas de alguem, a estar "lá" nos tempos de crise ou a criar ordem quando existe um caos total.


Desejava que pudesses compreender ....
Como nos sentimos quando temos uma criança a puxar-nos o braço e a perguntar "a minha mae está bem?" sem sequer se conseguir olhar nos seus olhos sem deixar cair umas lágrimas e sem saber o que
responder. Ou ter de segurar um amigo de longa data enquanto o seu companheiro vai na ambulancia a receber respiração boca-a-boca sabendo de antemao que ele não trazia o cinto de seguranca posto.


A menos que tenhas vivido este tipo de vida, nunca conseguirás entender verdadeiramente ou apreciar
O QUE NÓS SOMOS OU O QUE O NOSSO TRABALHO SIGNIFICAM REALMENTE PARA NóS... 

Desejava que pudesses......

 Não é a farda que faz um bombeiro... é o espírito de entrega ao próximo e de sacrifício que faz o que somos...

Ana Margarida Pedro

 


 




outroscaminhos @ 20:16

Sab, 19/04/08

BOM FIM DE SEMANA PARA TODOS  

Joana Beites

sinto-me: ...
música: Fim de semana


outroscaminhos @ 18:49

Sab, 19/04/08

A tua voz está no mundo

É o grito da borboleta

Ou o silêncio que nunca

Se concretiza na Estalactite

É o som da maré

É o renascimento da flor

Possui a harmonia da mentira

Real

É um arco-íris audível

Com uma cor solitária

 

A tua voz estaáem mim

Em todos os Luares Negros

Ouço-a no calcário

E na terra

Ilumina qualquer

Resto de Cemitério

Meu.

 

A tua voz só não está em ti.

Morreste. Para a voz

Dominar o Universo.

Aqueceste o mundo, gastaste a tua luz

Para quebrar o céu e o mar,

Abrir a Terra.

 

Fecha os olhos

Hoje faço-te companhia no sacrifício.

A tua voz está em mim. Preciso da tua

Luz.

Hoje também

Me sacrifico. Para ouvir a tua voz

Antes de adormecer.

       

 Maria InEs c.




outroscaminhos @ 19:10

Sex, 18/04/08

Ola o meu nome é Ninguem.
Costumava ser alguém na minha cidade,
até ter começado a perder o meu caminho.
Voltando ao passado, relembro o Alguém que fui.
A vida de alguém divertido e feliz.
Mas agora sou ninguém com prolemas,
e essa imagem so se resume a fotografias.
E vai-me deitando a baixo,
ver o mundo ás voltas e todos os meus sonhos a serem destruidos.
Existe Alguem que me consiga ver?
Porque eu não consigo ver-me.
Consegue Alguém sentir-me?
Porque não me sinto.
A perder o meu caminho..
Continuo a perder o meu caminho.
Tarde demais para me julgarem como Alguém.
Eu era uma menina.
E mais que o que podia fazer era dificil de esperar.
Mas foi isso qe não me fez ver os erros qe estava a cometer.
Assim termino acima de tudo Ninguém.

Um ninguém obrigado a crescer.
Em qe as coisas mais loucas eu provalvemente nunca saberei.
E isto tudo esmaga-me.
Perdoem-me se alguma vez errei,
porqe sei que todos os humanos erram.
Se pudesse voltar atras não conhecia metade dos Alguém e não me tornaria nunca um Ninguém.

 

 

Nádia Correia nº8



Depois de concluirmos uma etapa, e porque a vida não pára, chegam novas aventuras e novas descobertas por novos caminhos....
Abril 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
12

14
16

20
24
26

27
28
29


É hora de caminhar...
Caminha-se melhor com música
Encontre o caminho
 
Caminha-se melhor com música
subscrever feeds
blogs SAPO